fbpx

Cinco viagens de trem pelo mundo que você não pode deixar de fazer

Muita gente diz que o legal de viajar não é o destino, mas a jornada para chegar até lá. Essa frase faz bastante sentido quando se trata de trajetos feitos de trem. Além de aproveitar a paisagem única proporcionada por viajar por terra, alguns trens ainda oferecem serviços dignos de hotéis cinco estrelas.

Então por que não, na próxima viagem, trocar o avião pela boa e velha locomotiva? Para te ajudar a decidir, reunimos algumas das rotas de trens mais procuradas do mundo. Confira:

Transiberiana (Rússia, Mongólia e China)

Uma das viagens de trem mais famosas do planeta, a ferrovia Transiberiana é uma linha que vai de Moscou até Vladivostok, no extremo leste da Rússia. Os números são impressionantes: são 9.259 quilômetros de extensão, atravessando três países e oito fusos horários diferentes.

O tempo de duração da viagem de trem depende do roteiro escolhido. No mais expresso, a viagem dura cerca de 15 dias. Já na opção com paradas em várias cidades, o percurso completo leva cerca de um mês para completar.

Independente da escolha, o trajeto é uma aventura à parte, passando por pontos inexplorados pela maioria dos turistas, como a cidade de Ecaterimburgo ou o Lago Baikal na Sibéria. Alguns roteiros também incluem paradas por Pequim (na China), em Ulan Bator (na Mongólia) e até em Pyongyang (na Coreia do Norte).

Veja a documentação necessária para viajar para a Rússia, Mongólia e China.

The Ghan (Austrália)

Se passar frio não é o seu negócio, que tal uma viagem pelo mítico Outback australiano? Pois essa é a ideia do The Ghan, uma rota de trem que vai de Adelaide, ao sul do país, até Darwin, no extremo norte, passando pelo famoso deserto onde foi filmada a franquia Mad Max.

O percurso completo tem 2.979 quilômetros e pode ser feito em três dias. O destaque fica por conta da variedade de cenários que a viagem proporciona: das vinícolas de Adelaide, o turista segue até Alice Springs, no chamado Centro Vermelho da Austrália. Após o conhecer o deserto e um pouco sobre a cultura aborígene, o viajante segue até o Parque Nacional de Nitmiluk e encerra o tour na cidade litorânea de Darwin.

O único porém da viagem é que ele é bastante salgado: o preço mais barato para fazer o trajeto completo é de 2.729 dólares australianos (cerca de R$ 7,5 mil). Porém, o conforto e a experiência podem valer a pena.

Veja a documentação necessária para viajar a Austrália.

Blue Train (África do Sul)

Falando em luxo, a locomotiva Blue Train é também conhecida como o hotel cinco estrelas sob trilhos. Indo de Petrória até a Cidade do Cabo, a jornada percorre 1,6 mil quilômetros em três dias pelo interior sul-africano, com suas savanas e animais selvagens, e as famosas e premiadas vinícolas.

Mas a grande atração do Blue Train fica por conta do trem em si. As cabines são verdadeiros quartos de hotel, com mordomos sempre presentes para auxiliar no que for preciso. Durante os jantares, a comida servida é digna de um restaurante badalado, inclusive com exigência de traje de gala. Para completar, a viagem toda é no esquema all-inclusive, com bebida e comida à vontade.

Tudo isso, claro, tem um preço: o pacote mais barato custa cerca de R$ 5,5 mil durante a baixa temporada (entre novembro até agosto).

Veja a documentação necessária para viajar a África do Sul.

Glacier Express (Suíça)

Para quem preferir uma viagem mais curta, mas igualmente inesquecível, a pedida é o Glaciar Express. O trem com vista panorâmica passa por alguns dos pontos mais bonitos dos Alpes Suíços, incluindo locais reconhecidos como Patrimônio Mundial pela Unesco. Apesar de ter “expresso” no nome, essa rota é tida como uma das mais lentas do mundo: percorre 291 km em cerca de oito horas.

Uma das vantagens do Glaciar Express é que ele liga duas cidades famosas dos turistas que querem ver neve: Zermatt e St. Moritz. Além disso, o trem ainda para em algumas cidades pequenas em que é possível comprar souvenirs e, claro, tirar muitas fotos. Fora isso, como é possível reservar uma poltrona gratuitamente usando o Swiss Travel Pass, a viagem acaba saindo em conta para quem está de férias pela Suíça.

Veja a documentação necessária para viajar a Suíça.

The Rocky Mountaineer (Canadá)

O continente americano não fica atrás quando se trata de viagens de trem. As mais famosas são as rotas oferecidas pela empresa The Rocky Mountaineer, que opera na parte oeste do Canadá. As viagens duram de quatro a 14 dias, dependendo da rota escolhida.

Uma delas é a First Passage to the West, que vai de Vancouver até Calgary, passando pelas incríveis montanhas rochosas do Canadá e com paradas para dormir em hotéis, já que os trens não possuem cabines particulares. Em cada um desses pontos é possível desfrutar da vida nessas regiões mais pacatas, além de conhecer sua história e a natureza local.

Outra opção é a Coastal Passage, que se inicia em Seattle (EUA), passa por Vancouver, atravessa as montanhas rochosas e chega a Banff. Tudo isso em meio à paisagem única do interior da América do Norte.

Veja a documentação necessária para viajar ao Canadá.

Dicas para quem pretende fazer viagens de trem

Antes de viajar, certifique-se que seu passaporte está a pelo menos seis meses da data de vencimento, alguns países não aceitam a entrada após esse período. Também fique atento quanto ao visto de entrada, já que alguns destinos exigem o documento para turistas brasileiros. Se tiver dúvidas, entre em contato conosco.

Fique atento: a validade do passaporte pode te custar a viagem!

Além disso, para aproveitar a viagem ao máximo e postar várias fotos nas redes sociais, recomendamos o chip internacional MysimTravel. Aceito em mais de 200 países, a empresa conta com pacotes promocionais de internet para qualquer smartphone e pode ser ativado ainda no Brasil. Confira a loja especial da MysimTravel para saber mais.

Texto: Igor Nishikiori, com edição de Julio Simões

× Como podemos ajudar?