fbpx

5 cidades pelo mundo que devem se destacar pela cultura em 2020

Cansou de Paris, Nova York e Londres? Pois saiba que a empresa que monitora tendências WGSN indicou recentemente cinco cidades que prometem ser a grande novidade do meio cultural para 2020. São destinos que ainda não são conhecidos por todos os turistas, mas que valem a visita pelo trabalho que tem sido feito nesta área tão importante para a humanidade. Confira a lista a seguir:

Medellín (Colômbia)

Antes perigosa por conta do narcotráfico, Medellín hoje é uma das cidades mais vibrantes da Colômbia. Sua cena cultural pode ser desfrutada já na rua, principalmente no entorno da Plaza Botero, rodeadas de esculturas do artista Fernando Botero, além do famoso Museu de Antioquia.

A Comuna 13, favela que era antigo reduto dos cartéis do tráfico, é outra atração cultural à parte. Após ser pacificada e passar por diversos processos de modernização, hoje o local é palco de vários movimentos culturais e de arte urbana que recebem turistas do mundo inteiro.

Cidade do México (México)

Capital mais antiga das Américas, a Cidade do México já era bem conhecida pela criatividade de seus artistas: de Frida Kahlo a Roberto Bolaños. Hoje, porém, desponta como uma das grandes referências culturais do mundo. Não faltam museus impressionantes, como o Soumaya, Museu Nacional de Arte e Museu de Arte Moderna, e grandes eventos como a feira de arte Zona Maco e Feria de Arte Material.

Fora isso, como toda grande cidade que se preze, a capital mexicana também é rota de grandes shows internacionais e conta com festivais de rock gigantescos, como o Vive Latino e o Corona Capital.

Dakar (Senegal)

Quando se fala em cultura africana, Dakar é uma das cidades mais importantes no assunto. Banhada pelo Oceano Atlântico, a capital senegalesa costuma atrair surfistas e turistas atrás de sossego, mas também oferece museus e memoriais que contam um pouco da arte no continente.

Dentre eles está o Museu das Civilizações Negras, que pretende destacar a contribuição da África para patrimônio mundial científico e cultural. Além disso, a cidade sedia a Dakar Biennale, uma importante exposição de arte contemporânea africana, e já foi duas vezes sede do FESMAN, o Festival Mundial de Arte Negra (1966 e 2010).

Leipzig (Alemanha)

A cidade alemã chegou a ser um grande centro cultural e econômico durante os séculos 18 e 19, casa de grandes compositores como Bach e Wagner, mas perdeu essa importância ao longo dos anos de domínio socialista. Desde a reunificação alemã, porém, a cidade vem trabalhando para voltar a ser polo de cultura e inovação.

Além dos museus e das casas de shows, Leipzig também recebe a segunda maior feira do livro da Alemanha (atrás apenas de Frankfurt), o festival gótico Wave-Gotik-Treffen, um festival de música dedicado a Bach, entre outros grandes eventos anuais.

Bangcoc (Tailândia)

A política também é um dos motores que tem feito de Bangcoc uma nova potência cultural no mundo. Após o golpe militar de 2014, jovens criaram um movimento artístico para se rebelar contra o governo usando música, fotografias, arte urbana e redes sociais. Isso causou um boom no interesse por arte e hoje há galerias, cinemas e teatros para atender a demanda.

Em 2018, por exemplo, aconteceu a primeira Bienal de Arte de Bangcoc, que reuniu nomes famosos como Marina Abramović, Jean-Michel Basquiat e Yayoi Kusama.

Passaporte à mão

Se você está interessado em conhecer algum destes destinos citados acima, é fundamental ter um passaporte válido com, no mínimo, seis meses de validade. Para saber mais sobre isso, acesse nossa página especial. Em caso de dúvidas, entre em contato conosco. Boa viagem!

Fonte consultada: Folha de S.Paulo
Texto: Igor Nishikiori, com edição de Julio Simões

× Como podemos ajudar? Available from 08:30 to 18:00