fbpx

Conheça a diversidade da Califórnia pela Rota 1

Longas viagens de carro nem sempre são sinônimo de chatice e monotonia. Pelo menos não é o caso da Highway 1 (ou Rota 1, em português), a famosa estrada americana que cruza boa parte da Califórnia. Além de contar com diversas cidades menores que normalmente ficam fora do roteiro turístico tradicional da região, a Rota 1 ainda tem a vista privilegiada da costa do Pacífico como companheira de viagem.

Por isso, caso sua vontade seja explorar os Estados Unidos de um jeito diferente e inesquecível, recomendamos o nosso roteiro a seguir. Depois, basta se planejar bem e curtir a viagem!

São Francisco, Califórnia (ponto de partida)

Para quem está fazendo a rota pela primeira vez, o ideal é começar por São Francisco. Primeiro porque você viajará do lado da pista que dá para o oceano, o que facilita na hora de parar para tirar uma foto, por exemplo. E segundo porque não existe jeito melhor de começar a viagem do que partindo da charmosa Golden Gate Bridge

Famosa por ser o berço do movimento hippie, dos tradicionais bondinhos e por ser uma cidade livre de preconceitos, São Francisco é um lugar que todo turista deve conhecer. Os fanáticos por tecnologia poderão visitar o Vale do Silício, onde empresas como Google, Facebook e Apple estão instaladas. Já os fãs de esportes poderão ter a chance de pegar a alguma partida dos times da cidade, como o San Francisco 49ers e o Golden State Warriors. Além disso, um bom passeio é caminhar pelo cais do Fisherman’s Wharf e conhecer suas diversas lojas e restaurantes.

Santa Cruz, Califórnia (125 km de São Francisco)

Provavelmente, uma das primeiras paradas será em Santa Cruz. A cidade litorânea é famosa por ser o local onde o surf foi introduzido no país. Portanto, não surpreende que Santa Cruz seja o point dos surfistas californianos. Se esse for seu forte, não deixe de aproveitar para pegar uma onda nessas águas lendárias, ou mesmo comprar uma prancha ou um biquíni para levar para casa.

Caso seu negócio seja se divertir em terra firme, uma opção é passar algumas horas no Beach Boardwalk, o centenário parque de diversões colado à praia. Além de poder andar nos brinquedos radicais, há diversas opções de comida e espaços dedicados a minigolfe, fliperamas e apresentações de mágica.

Monterey, Califórnia (196 km de São Francisco)

Com pouco mais de 28 mil habitantes, essa pequena cidade teve na pesca sua maior fonte de renda. Não por acaso, os animais marinhos têm um lugar especial entre as principais atrações. Um exemplo é o aquário de Monterey Bay, considerado um dos maiores dos Estados Unidos e que recebe cerca de 2 milhões de visitantes ao ano. 

Outro ponto interessante é o Old Fisherman’s Wharf. Até os anos 60, o cais operava como um mercado de peixes, mas a pesca predatória fez com que a população de sardinhas quase desaparecesse. Com o colapso da indústria da pesca, o local foi rearranjado como uma atração turística, com lojas, restaurantes e bares. Dali também é possível ver alguns leões-marinhos e até baleias em alto mar.

Big Sur, Califórnia (240 km de São Francisco)

A entrada para a região conhecida como Big Sur começa com a imponente ponte Bixby Creek. Com uma das paisagens mais bonitas da Califórnia, é um ponto de parada obrigatório para tirar uma selfie de recordação.

Diferente de outras cidades da rota, Big Sur não conta com um centro urbano. Por isso, o que atrai os visitantes é justamente a sua natureza exuberante. Não à toa a região conquistou tantos escritores, como Jack Kerouac, Hunter Thompson e Henry Miller. A parada também é uma boa por conta de diversas pousadas que ficam ao longo da estrada e podem servir como um local de descanso.

Santa Barbara, Califórnia (591 km de São Francisco)

Apelidada de Riviera Americana, a cidade de Santa Barbara conta com uma forte influência espanhola que é refletida pela sua arquitetura colonial. Com muitas palmeiras, clima agradável e belas praias, hoje a cidade é habitada majoritariamente por universitários por conta de seus diversos colleges.

Aproveitando o clima mediterrâneo e que Santa Barbara fica perto da região vinícola de Santa Ynez, não deixe apreciar um bom vinho à beira mar. Ao fim da tarde, uma boa pedida é caminhar preguiçosamente pelo pier do Stearns Wharf.

Los Angeles, Califórnia (700 km de São Francisco)

Após cruzar o estado, nada melhor do que chegar à capital mundial do cinema. Aqui vale turistar à vontade e tirar fotos no icônico letreiro de Hollywood, conhecer a Calçada da Fama e o Teatro Chinês, fazer compras em Beverly Hills, visitar a Paramount Studio ou caminhar na famosa Sunset Boulevard. Os que tiverem mais tempo e paciência podem se arriscar na famosa “caça” às celebridades. O condado de Los Angeles ainda reserva praias como Venice, Malibu e Long Beach, além de diversos museus, city tours e passeios. Enfim, o que não vai faltar é coisa para fazer por lá.

San Diego, Califórnia (812 km de São Francisco)

Localizada na fronteira com o México, San Diego marca o fim da Rota 1 e encerra a viagem com chave de ouro. Segunda maior cidade da Califórnia (atrás apenas para Los Angeles), o destino é um deleite para amantes de boa comida e das cervejas artesanais. Por conta do grande fluxo de imigrantes, é possível encontrar culinárias de todos os tipos: desde mexicana até asiática passando pela mediterrânea. Já na parte de bebidas, San Diego conta com mais de 100 micro cervejarias, sendo considerada a capital norte-americana da cerveja artesanal.

Já a parte cultural de San Diego, o destaque fica por conta da Comic Con (que acontece anualmente em meados de julho), e dos diversos museus, como o San Diego Museum of Art e Timken Museum. Além disso, a cidade tem uma cena musical pujante, tendo revelado artistas famosos como Blink-182, Stone Temple Pilots e Jason Mraz. Outras opções de passeio são o SeaWorld, o zoológico de San Diego e o gigantesco Balboa Park.

Dicas importantes para quem deseja conhecer a Califórnia pela Rota 1

Antes de embarcar, certifique-se que sua carteira de motorista (CNH) está regularizada. Com ela será possível solicitar a Permissão Internacional para Dirigir (PID). Como já explicamos anteriormente, a PID é bem simples de ser emitida e vale para diversos outros países, então não deixa para tirá-la o quanto antes.

Além disso, não se esqueça de tirar o visto de turista para os Estados Unidos. Sem ele, não é possível entrar no país e, portanto, nada de road trip. A CELESTINO conta com uma assessoria especializada, pronta para ajudar em todo o processo burocrático – entre em contato conosco.

Como aumentar as chances de conseguir o visto americano

Outra dica valiosa para desbravar a Rota 1 é ter um smartphone com internet para evitar se perder na estrada e ainda aproveitar melhor as atrações nas cidades. Por isso, recomendamos o MysimTravel, o chip internacional com internet que é ativado ainda no Brasil e que conta com diversos planos promocionais para os Estados Unidos.

Texto: Igor Nishikiori, com edição de Julio Simões

× Como podemos ajudar?